Banner Topo Grande Teste

A ciência não prova que um indivíduo nasce transgênero, dizem especialistas
07/06/2018 14:21 em Novidades

Um novo estudo científico descobriu que certas atividades cerebrais de indivíduos que acreditam que eles são do sexo oposto espelham o gênero que eles gostariam de ter. Mas especialistas dizem que o estudo não mostra se as diferenças cerebrais são inatas ou devido às escolhas e experiências de vida daqueles com disforia de gênero.

Além disso, o estudo entra em conflito com outras pesquisa supostamente pró-transgênero que pretendem mostrar que não existem diferenças cerebrais entre homens e mulheres.

No futuro, aqueles que questionam seu gênero poderão receber exames cerebrais para determinar se estão sofrendo de disforia de gênero, se os resultados forem conclusivos.

O Telegraph relatou em 22 de maio que a análise de aproximadamente 160 participantes mostrou que homens biológicos com disforia de gênero "tinham uma estrutura cerebral e padrões neurológicos semelhantes a fêmeas biológicas e vice-versa" e que essas diferenças neurológicas são detectáveis ​​durante a infância.

As conclusões do estudo foram apresentadas na reunião anual da Sociedade Europeia de Endocrinologia em Barcelona, ​​Espanha.

Os cientistas por trás da nova pesquisa dizem que sua descoberta promete aos médicos uma nova ferramenta com a qual oferecer melhores conselhos em um estágio anterior. Atualmente, o debate continua a ser fortemente contestado sobre como as crianças que sofrem disforia de gênero devem ser tratadas psicológica e clinicamente, particularmente com a prescrição de bloqueadores de puberdade e hormônios sexuais.

A equipe de pesquisadores aplicou testes de ressonância magnética para examinar a ativação cerebral ao ser exposto a um esteroide, além de medir a massa cinzenta e a microestrutura da substância branca usando uma técnica chamada "imageamento por tensores de difusão", informou o Telegraph. O estudo incluiu homens e mulheres biológicos com disforia de gênero, e homens e mulheres sem disforia de gênero como controles, com idades variando entre a infância e a adolescência.

Os médicos que falaram com o 'The Christian Post' acharam prematuras algumas das aparentes conclusões do Telegraph.

"Apesar das alegações deste estudo recente, um único exame de ressonância magnética não pode ser usado para diagnosticar 'transgenerismo", disse Michelle Cretella, presidente da Faculdade Americana de Pediatria, em recente entrevista.

"O problema fundamental é que uma 'diferença' cerebral detectada em um único ponto no tempo não pode estabelecer causalidade porque o pensamento e o comportamento são conhecidos por alterar a anatomia, atividade e função do cérebro. Esse processo é conhecido como neuroplasticidade".

A professora Julie Bakker, que liderou a pesquisa na Universidade de Liège, na Bélgica, disse: "Embora mais pesquisas sejam necessárias, agora temos evidências de que a diferenciação sexual do cérebro difere em jovens com disforia de gênero, como mostram cérebro funcional características que são típicas do gênero desejado".

"Estaremos, então, mais bem equipados para apoiar esses jovens, em vez de apenas enviá-los a um psiquiatra e esperar que seu sofrimento desapareça espontaneamente".

O estudo vem em meio à intensificação do debate sobre a Lei de Reconhecimento de Gênero no Reino Unido, que a Primeira Ministra Theresa May prometeu alterar a fim de permitir que as pessoas mudem de gênero legalmente sem a necessidade de um diagnóstico médico.

May disse no ano passado que "ser transgênero não é uma doença e não deve ser tratado como tal".

Cretella enfatizou que "todos os estudos sobre o cérebro de um transgênero até hoje, incluindo este, não conseguem refutar o que é mais provável: o fato do indivíduo acreditar que é um transgênero e se comportar como tal muda a aparência e o funcionamento do seu cérebro".

"Para provar que há um 'cérebro trans', os cientistas precisariam fazer exames de ressonância magnética de milhares de bebês selecionados nacionalmente e selecionados aleatoriamente no nascimento e depois em série até a idade adulta, a fim de identificar uma diferença cerebral imutável ao longo da vida dos sujeitos, que está presente APENAS na identificação de jovens adultos trans", destacou.

Da mesma forma, o Dr. Martin Bednar, neurocirurgião e neurocientista, compartilhou sua análise com o Christian Post.

"A partir da minha revisão do resumo e vários comunicados de imprensa, é claro que este é um estudo transversal MRI, ou seja, um ponto no tempo, em vez de um estudo longitudinal (múltiplas ressonâncias durante um período de tempo no mesmo indivíduo) para determinar se há ou não mudanças ao longo do tempo, por exemplo, desde o nascimento até o ponto em que a disforia de gênero foi claramente expressa por um indivíduo", escreveu Bednar.

"Sem esse estudo longitudinal - e confirmação rigorosa dos dados - é completamente incerto se os resultados são precisos e se as diferenças regionais no cérebro podem ser confirmadas, são essas diferenças relacionadas a diferenças biológicas fundamentais inerentes e imutáveis ​​ou simplesmente uma consequência da plasticidade cerebral que está invariavelmente associada e é uma consequência de um modo particular de pensar ou agir como foi publicado várias vezes", acrescentou.

Ele elaborou ainda mais, usando um exemplo de motoristas de táxi em Londres que têm "o conhecimento" - uma compreensão do mapa da cidade. Acontece que esses motoristas de táxi exibem uma forte relação entre o volume de seu hipocampo posterior (uma região crítica do cérebro para a memória) e a quantidade de tempo em que eles são taxistas.

"Devemos assumir que certos indivíduos nasceram para se tornar condutores de táxi ou é muito mais lógico concluir que seus cérebros continuam a mudar com o tempo, à medida que acumulam mais conhecimento e experiência do complicado mapa das ruas de Londres?", Bednar perguntou. "Está claro que essas mudanças na estrutura e função do cérebro podem ocorrer de forma muito rápida e surpreendente".

"Há também o caso de dois grupos de jovens adultos, um dos quais praticava malabarismo com três bolas por 60 segundos e um segundo grupo que não praticava. Apesar de seus volumes cerebrais serem muito semelhantes antes dessa atividade, o grupo que praticou malabarismos por três meses demonstrou um aumento significativo no volume cerebral em duas áreas do cérebro que são importantes para o processamento de informações relacionadas a objetos em movimento", explicou.

A literatura científica revela que, três meses após a conclusão desta atividade, o grupo de malabaristas rapidamente viu uma redução de 50% no aumento do volume cerebral que estava associado à atividade de malabarismo. Esses estudos e muitos outros destacam a extrema plasticidade do cérebro, particularmente nos jovens, onde os volumes e atividades cerebrais podem ser facilmente afetados por atividades ou comportamento, disse ele.

"O estudo de ressonância magnética liderado por Bakker simplesmente adiciona confusão ao invés de clareza para o campo. Um estudo de ressonância magnética cerebral lançado em março pela Escola de Medicina da Universidade de São Paulo também foi citado em comunicados de imprensa recentes como apoiando as conclusões de Bakker. Além disso, é importante ressaltar que o estudo de São Paulo é apresentado como tendo descobertas semelhantes às de Bakker ao demonstrar diferenças na região da ínsula dos cérebros de pessoas trans e cis-gênero. Nenhuma das quatro regiões cerebrais anotadas no estudo de Bakker foi notada no estudo de São Paulo. Na leitura do resumo de Bakker, não há justificativa para o estudo das duas regiões cerebrais mencionadas (duas regiões cerebrais diferentes em meninos cis-gêneros e cis - meninas de gênero) - essas áreas foram pré-selecionadas ou simplesmente consideradas diferentes em uma análise pós-estudo?", questionou.

Bednar expressou mais preocupação com o falho estudo de Bakker e suas conclusões, apontando para um comunicado de imprensa inversa em que Bakker afirma que "quanto mais cedo se pode começar com o tratamento, incluindo a inibição da puberdade, seguidos por hormônios sexuais cruzados, melhor resultado".

Bednar acrescentou: "Seria interessante conduzir um estudo de RM - estrutural e funcional, conduzido de maneira rigorosa - em que indivíduos com disforia de gênero recebiam psicoterapia e os resultados comparados com indivíduos que continuavam a exibir disforia de gênero e aqueles que não mais fez".

"Infelizmente, o uso da psicoterapia tem sido proibido em muitas regiões para meninos e meninas com disforia de gênero, embora o uso de esteroides que tornam esses meninos e meninas estéreis e com grande risco de outras complicações médicas seja rotineiramente usado e incentivado pela sociedade", lamentou.

Fonte: Guia-me

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE